No Limbo

Do alto dos meus 33 anos e 1 dia e toda a sabedoria acumulada neste período, achei que já era hora de compartilhar um pouco das insanas e recorrentes histórias de nós, balzacas, vivendo no limbo da falta de machos. Histórias reais e fictícias, minhas, de amigas e de personagens, que pretendo que ilustrem o surreal que é essa transição sociológica onde cabe de tudo: desde pessoas que te encaram com piedade (como se o fato de não ter um bofe transformasse você em um ser mutilado), até as que te olham com inveja (como se o fato de você sorrir mesmo assim, te transformasse em uma semideusa autotrófica)...



ATENÇÃO: Os nomes foram trocados ou omitidos em uma tentativa de se manter um mínimo de dignidade





quarta-feira, 21 de julho de 2010

No limbo

O nome "no limbo", embora não seja profundo, não foi impensado.

Estar sozinha, na casa dos 30, é uma espécie de purgatório. É como se você estivesse purgando coisas que você nem sabe que fez, enquanto espera seu ticket para o paraíso.

E lamento contradizer quem fala: Solteira sim, sozinha nunca. Sozinha nunca é o escambau! Sonha que eu acredito que as pegadoras não se sentem sozinha num Domingo a tarde enquanto o Faustão fala asneira e elas estão deitadas no sofá, sem ninguemzinho para fazer um cafuné. E quando tem que ir com o carro fazer a inspeção veicular? E quando vai ter algum evento familiar e o anfitrião pergunta, ao te convidar pelo telefone, se você vai levar alguém? Sozinha nunca é o meu pau de óculos. Esquece.

Tá no limbo sim. Purgando as gordurinhas, o ciúme, a TPM, as manias, as depressões, o jeito de bisca, enfim... tudo aquilo que possa nos separar dos machos-alfa.

E purgando também os machos-beta. Aqueles homens que nem são assim homens, mas que vão aparecendo na vida para que a gente tenha história surreal para contar. Tem que purgar homem purgante mesmo.

E esse é o limbo onde estamos, queridinha. Aquela coisa entre o céu e o inferno. O lugar em que a gente não precisa ser santa nem puta, onde a gente sofre mas goza.

Seja bem vinda ao nosso limbo (nem tão) particular.

3 comentários:

Marcia disse...

Eu também não gosto dessa coisa de "solteira sim, sozinha nunca"...quem diz isso está enganando a si mesma...
quero mais é um cobertor de orelha

Ricca Cerdan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricca Cerdan disse...

Ser solteiro (a) é uma opção mas como tudo na vida tem um preço...
Quem não procura alguém para dividir todos os seus medos e anseios,quem não procura aquele doce cafuné, alguém para dizer boa noite em um final de domingo.